Após três meses de inaugurado, mercado público de Esperantina entra em funcionamento

A obra custou em sua totalidade R$ 3.476.351,60. Funcionamento ainda é parcial.

Por: Kléber Oliveira
Publicado em 03/04/2018 às 10h44
2066
(Foto: Kléber Oliveira/RevistaAZ)

Inaugurado no dia 22 de dezembro de 2017 pelo governador Wellington Dias, o Mercado Municipal Bernardo Rêgo de Aguiar começou a funcionar parcialmente em Esperantina com grande visitação popular. Aos poucos os espaços são ocupados pelos permissionários que já comercializam seus produtos.

PARTE SUPERIOR ESTÁ FECHADA

De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura, a parte superior do prédio do mercado está fechada por conta de que os permissionários que ocuparão os espaços destinados à restaurantes e lanchonetes, ainda não fizeram o pedido individual da energia junto a Eletrobras, mas que será regularizado nos próximos dias.

(Foto: Kléber Oliveira/RevistaAZ)
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

O horário de funcionamento deve seguir a tradição dos feirantes, que começa na madrugada e segue até pouco mais do meio dia. Já os restaurantes e lanchonetes deverão funcionar por todo o período do dia.

(Foto: Kléber Oliveira/RevistaAZ)
ADMINISTRAÇÃO PRÓPRIA

Duas pessoas foram nomeadas pela prefeitura para administrar as dependências do mercado público. Eles deverão cuidar da organização e preservação do prédio. O espaço possui 3.142,20 m² de área reformada e construída com a estrutura de administração; curral para pequenos animais; lojas secos e molhados; artesanato; boxes de carne e peixes; boxes de frutas e verduras; praça de alimentação com quatro restaurantes e 12 lanchonetes.

FEIRANTES RECLAMAM DE ESPAÇO

Apesar do local ser agradável e organizado, muitos feirantes reclamam que perderam espaço em relação ao mercado anterior. De acordo com Maria Oneide, ela tinha uma barraca maior no antigo mercado e teve seu espaço reduzido, dificultando a organização dos produtos. “Estamos felizes por termos um mercado bonito e organizado, porém muitos de nós tivemos os espaços reduzidos“, disse.

(Foto: Kléber Oliveira/RevistaAZ)
CUSTO DA OBRA

A obra custou em sua totalidade R$ 3.476.351,60, com recursos de uma emenda parlamentar do ex-deputado Marllos Sampaio e uma contrapartida do governo estadual. A construção teve início em 2013 e parou por diversas vezes por questões justificadas como “burocráticas”, dentre outras polêmicas da época (relembre clicando aqui).



Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site.