Estudante baleada fingiu estar morta para escapar

Por: Kléber Oliveira
Publicado em 11/04/2011 às 11h02
4

Professora da sala em que assassino fez primeiros disparos diz que não consegue esquecer os minutos de horror. Três alunos feridos ainda estão em estado grave


Estudantes que escaparam da fúria assassina do atirador Wellington Menezes de Oliveira, na quinta-feira, na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste da cidade, tentam superar os traumas e recomeçar com a ajuda de amigos. Ontem uma das quatro vítimas internadas em estado grave apresentou melhoras e não corre risco de morrer. Tayane Tavares Monteiro, 13 anos, que levou quatro tiros, o primeiro disparado contra a cabeça, falou pela primeira vez como se fingiu de morta para sobreviver ao massacre. Atleta, a adolescente, internada no CTI do Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracura, Duque de Caxias, corria o risco de ficar paraplégica.

Veja as matérias relacionadas:

 

TRAGÉDIA NO RIO: Homem invade escola, mata estudantes e se suicida


Divulgado a foto do assassino que matou e cometeu suicídio em escola no Realengo, RJ


Massacre em Realengo: Veja como ficaram as salas de aula após disparos do atirador


‘Estou à base de remédios’, diz trabalhador que resgatou 6 crianças no massacre do Realengo


Da redação, com foto de Odia.terra



Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site.