Ministério da Saúde faz alerta a cinco cidades do Piauí com alto risco de infestação por dengue

Por: Da Redação
Publicado em 16/01/2020 às 12h43
475
Fêmea do Aedes aegypti é responsável pela transmissão da febre amarela, dengue, chikungunya e zika vírus — Foto: Pixabay/Divulgação

Cinco municípios do Piauí apresentaram risco de infestação por dengue maior do que 1%, índice considerado alto pelo Ministério da Saúde. A situação fez a Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi) lançar um alerta para que as prefeituras de Sebastião Leal, Alvorada do Gurgueia, Simplício Mendes, Pavussu e Curimatá para que intensifiquem o combate aos focos do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença.

Segundo Amélia Costa, coordenadora de epidemiologia da Sesapi, os cinco municípios tiveram alta incidência da doença e são considerados os de maior risco de infestação. “O maior risco de se contrair a doença está nesses cinco municípios”, explicou.

“Sabemos que a chuva no estado tem maior incidência a partir de fevereiro, março. Por isso o Ministério da Saúde faz esse alerta, para que os estamos e municípios se organizem para debelar esse índice de infestação e incidência da doença”, explicou.

Cinco cidades do Piauí receberam alertas sobre alto índice de infestação por dengue. — Foto: Adelmo Paixão/ G1 PI

Assim, as prefeituras dos cinco municípios em alerta devem continuar avaliando os casos e observando a evolução da doença entre os moradores, além de iniciar campanhas de prevenção e combate à dengue e intensificar a vigilância de saúde.

Ainda de acordo com Amélia Costa, todas as outras prefeituras do Piauí receberam a ordem para que apresentem um levantamento sobre o índice de contaminação nos imóveis do município. “Sabemos que os outros municípios, apesar do nível baixo de infestação, abaixo de 1%, também têm que manter a vigilância”, disse.

Doença em avanço
Em 2019, o Piauí atingiu um alto índice de crescimento da doença: o crescimento no número de casos prováveis em comparação ao ano de 2018 foi de mais de 300%. Mais de 8 mil casos prováveis foram registrados pela Sesapi em 2019, contra pouco mais de mil casos no ano anterior.

Segundo Amélia Costa, o Ministério da Saúde termina a contagem dos casos de 2019 no mês de março de 2020, quando recebe os resultados dos exames de todos os casos prováveis e determina quantos casos confirmados foram registrados.

Apesar do número alto, o índice ainda é considerado dentro da normalidade para o estado. Segundo o supervisor de Entomologia da Sesapi, Oscimar de Alencar, a estatística aconteceu por que o ano de 2018 foi atípico no sentido positivo, com poucos casos.


*Com informações do G1/PI



Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site.