Messi quebra mais um recorde e fatura sua 4ª Bola de Ouro

Por: Kléber Oliveira
Publicado em 09/01/2013 às 12h10
1

Exterminador de recordes em 2012, Lionel Messi não precisou mesmo do sucesso coletivo para levar mais um prêmio para casa. E que prêmio! Vestindo um smoking no mínimo diferente com bolinhas brancas na festa de gala da Fifa, no Teatro Kongresshaus, em Zurique, cidade-sede da entidade, na Suíça, o craque argentino foi eleito nesta segunda-feira o melhor jogador do mundo pela quarta vez consecutiva, superando Cristiano Ronaldo, do arquirrival Real Madrid(segundo) , e Andrés Iniesta, companheiro seu no Barcelona(terceiro).

– A verdade é incrível poder receber esse prêmio. Realmente dessa vez eu quero compartilhar isso com os meus companheiros de Barcelona, principalmente Andrés. É um orgulho estar ao seu lado e poder jogar todo o dia com você, os meus companheiros de seleção argentina, as pessoas que votaram por mim, capitães de seleção, técnicos, todos aqueles… Eu estou nervoso. Quero agradecer à minha família, alguns amigos, e finalmente muito especialmente à minha esposa e ao meu filho, que é a coisa mais linda que Deus me deu – disse o astro, lembrando o nascimento de Thiago Messi no início de novembro.

Numa votação com treinadores e capitães das 209 seleções filiadas à Fifa, além de outros 49 jornalistas escolhidos pela revista francesa “France Football”, o camisa 10 do Barça recebeu 41,6% dos votos, contra 23,68% de Cristiano Ronaldo e 10,91% de Iniesta. A Bola de Ouro veio das mãos de Fabio Cannavaro (vencedor em 2006) e o colocou num novo patamar, certamente aguçando a discussão sobre quem é o maior atleta da história. Messi é agora o único do planeta a ter faturado quatro Bolas de Ouro (apenas em 2009 a premiação da entidade e da revista não eram alinhadas).

Quem mais chegou perto do feito do argentino foi um francês. Michel Platini, atual presidente da Uefa, conquistou a Bola de Ouro da “France Football” três vezes em sequência (1983, 1984 e 1985), quando defendia o Juventus, da Itália, além de sua seleção. o brasileiro Ronaldo, o francês Zinedine Zidane, e os holandeses Johan Cruyff e Marco van Basten também foram eleitos os melhores do mundo em três oportunidades, seja pela entidade (desde 1991) ou pela renomada revista francesa (desde 1956).

Independente dos títulos, a Bola de Ouro foi para as mãos de quem mais comemorou no ano. Apesar de ter conquistado apenas a Copa do Rei com o Barça, Lionel Messi marcou 91 gols em 69 jogos, quebrando a marca de Gerd Müller, que havia anotado 85 vezes em 1972 pelo Bayern de Munique e seleção alemã. A Fifa, porém, se recusou a validar o recorde, já que a federação da Zâmbia alegou que Godfrey Chitalu balançou as redes 107 vezes também em 1972: 97 pelo Warriors, dois com o Midlands, sete com a seleção do país e mais um em uma partida entre estrelas do futebol local.

Além de ver o nascimento de seu filho Thiago, Messi teve como diferencial em 2012 sua participação pela Argentina. Criticado por não repetir na seleção o futebol do Barcelona, ele decidiu, com grandes atuações, confrontos pelas eliminatórias para a Copa do Mundo ou em amistosos, como contra a própria seleção brasileira em junho, quando anotou um hat-trick nos Estados Unidos, na vitória dos hermanos por 4 a 3.

Em 2011/2012, ele também superou o recorde registrado por Cristiano Ronaldo e tornou-se o maior artilheiro de uma única edição do Campeonato Espanhol, com 50 gols em 37 jogos. Na Liga dos Campeões, ele se sagrou o primeiro da história a marcar cinco vezes numa só partida – contra o Bayer Leverkusen, pelas oitavas de final.

Dani Alves e Marcelo representam o Brasil

Mero espectador no ápice da festa, o Brasil foi homenageado logo na abertura. O ex-atacante Ronaldo Fenômeno subiu ao palco e, ao lado do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, agradeceu à entidade por acelerar o desenvolvimento das obras de infraestrutura no país, principalmente nos aeroportos. Ambos receberam a companhia de Fuleco, o tatu-bola mascote da Copa do Mundo de 2014 que leva o nome por ser uma mistura de futebol com ecologia.

Brasileiros também foram premiados. Na seleção do ano (a FifPro World XI), o lateral-direito Daniel Alves e o lateral-esquerdo Marcelo figuraram numa equipe apenas com jogadores do Campeonato Espanhol – o atacante Falcao García, do Atlético de Madri, foi o “intruso” em meio às estrelas de Barcelona e Real Madrid. David Luiz, do Chelsea, Thiago Silva, do Paris Saint-Germain, e Neymar, do Santos, ficaram fora.

O craque santista, por sinal, também não levou o Prêmio Puskas pela segunda vez consecutiva. Vencedor em 2011 com o golaço marcado diante do Flamengo, Neymar viu o eslovaco Miroslav Stoch, do Fenerbahçe, receber a honraria após eleição com mais de cinco milhões de votos na internet. Falcao García, outro concorrente, também foi superado.

Globo Esporte



Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site.