Polícia Civil cumpre mandados contra empresários no Piauí; Investigação apura crimes na prefeitura de Batalha

Por: Da Redação
Publicado em 25/05/2021 às 08h35
2344
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A Polícia Civil do Estado Piauí, por meio da Delegacia de Combate à Corrupção (DECCOR), em trabalho conjunto com o Tribunal de Contas do Piauí (TCE-PI) e Controladoria Geral da União (CGU), deflagrou na manhã desta terça-feira, a “Operação Entrelaçados” no estado.

O objetivo da diligência é dar cumprimento a mandados de busca e apreensão contra 7 empresas, residências de empresários e de três agentes públicos. A investigação apura a suposta prática dos crimes de fraude à licitação, associação criminosa, e desvio de recursos públicos envolvendo contratações do município de Batalha.

Ainda na diligência, a Justiça determinou o afastamento cautelar do Pregoeiro da prefeitura de Batalha. Os investigadores e auditores encontraram indícios de que ele ocupava o cargo de forma irregular, podendo estar diretamente envolvido nas supostas fraudes investigadas.

Os levantamentos preliminares feitos pela DECCOR e pelos órgãos de controle mostraram que as empresas alvos da operação possuem estreita ligação entre si, algumas dividindo inclusive o mesmo endereço, e sendo administradas por familiares próximos. Dados apontam que elas venceram licitações de 2017 a 2020, recebendo entre R$ 3 e 4 milhões de reais por ano só do município de Batalha.

Aparentemente as empresas não possuem capacidade operacional para o fornecimento dos materiais licitados (material de limpeza, papelaria e medicamentos). Uma delas não possui sequer funcionário contratado.

A investigação encontrou indícios de favorecimentos escusos, visto que algumas pessoas jurídicas foram recém-criadas e mesmo assim conseguiram vencer certames para fornecimento de grande quantidade de produtos. Também há suspeita de combinação de preços entre os licitantes para escolha dos vencedores.

A operação de hoje cumpre 11 mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina, José de Freitas e Barras. O nome da operação é uma referência ao estreito laço familiar mantido entre os supostos empresários e suas empresas.



Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site.